Frente e Verso.

Outubro 14, 2018

Capturar

Quando a perceção governativa é duvidosa, o apelo ao voto torna-se fragilizado.

Os recém resultados das eleições gerais em São Tomé e Príncipe, traduziram-se num duro golpe aos dirigentes do ADI e, consequentemente ao seu líder Patrice Emery Trovoada. Depois de obter a maioria absoluta a quatro anos, depois de constantes atropelos verbais com rigidez seriamente preocupante para um pais pequeno, cadente em que desde todos os tempos todos conhecem-se uns aos outros, quase que em famílias de sangue, viu-se em quatro anos algo nunca visto, tanto de preocupante como de absurdo.

Se por lado foram medidas necessárias, por outro, foram demasiado pesadas e rígidas para todos. São os impostos, foram os tribunais, é o empreendedorismo, ainda é do desemprego, da ocupação dos tempos livres etc, etc.

Tais medidas foram de uma maneira tão gritante, que chegou em grande medida a abafar tudo de bom que fizeram ministros (como o Olinto Daio, Ilza Amado Vaz ou Marcelino Sanches) ou diretores como Herlander Medeiros ou da agora polícia judiciária.

Desvalorizando a classe média, que já não é tão pouca como parece ou era, apostando tudo na população rural, esquecendo do escoamento para a cidade em busca de sustento e também de informações e partilha desta.

Cercando a oposição por todos os lados, retirou estes todos os meios e habitais mecanismos de financiamento (desde banco, estrangeiro e nacionais endinheirados). Entretanto a informação e necessidade de mudar certos estados de coisas era tanto que os mais fragilizados a primeira se tornaram nos mais fortalecidos no final da corrida.

Sucessivos casos de dinheiro ganho em título de empréstimo que até a data ninguém viu a sua cor muito menos o paradeiro, arrogância nas decisões, falta de comunicação e de passagem de informação ao geral faz com que o ADI hoje tenha perdido a tão desejada maioria absoluta.

Num dos primeiros manifestos do MLSTP/PSD foi de que eramos, mas que aprendemos com esse erro. Que assim seja para o bem de todos os são-tomenses.

 

Analise da Isabel Santiago https://www.telanon.info/suplemento/opiniao/2018/10/10/27967/a-verdade-da-mentira-na-trovoada-eleitoral-o-primeiro-dia-do-resto-da-tua-vida/

Anúncios

Entre a Consciência e a Consideração.

Setembro 27, 2018

São Tomé e Príncipe necessita urgentemente de alternativas firmes e credíveis capazes de acrescentar novos valores e acreditações cívicas socioeconômicas e financeira.

A um mês certo das eleições autárquicas, legislativas e regionais, eis que ataques frequentes e continuados têm sido o pão de cada lançados da oposição, oque contrasta com alguma arrogância e imposições vinda da governação.

Depois dos tribunais (constitucional e supremo) urgiram casos de alegadas subversões da ordem interna do país. Ora se por um lado u governo tem dito ser alvo de preparativos para este fim, a oposição diz estarem a ser criadas condições propícias por parte do governo, com a mais recente aprovação de lei que possibilita os estrangeiros entrarem e permanecerem nas terras do falcão e do papagaio até seis meses sem vistos de entrada e de permanência nas ilhas.

Se por um lado o governo refugia-se na maioria absoluta para decidir, impondo posições dominantes em toda a largura extensiva do país, a oposição não tem sabido nem contestar e nem alterar essa mesma vontade.

Com uma economia que se equipara com os preços praticados no mundo inteiro o país vai vivendo de dividendos externos, sem poder produtivo se quer para o consumo interno, exibindo contudo luxos inaceitáveis de riquezas pessoais contrastando deste modo com todo o resto daquilo que do estado.

Sem apresentar qualquer tipo de alternativas, sustentáveis ou não, os partidos da oposição com acentos parlamentares, vão fazendo barulho muitos deles ensurdecedores, tudo porque enquanto estiveram na cadeira do poder não souberam da melhor maneira governar estas duas minúsculas ilhas. Contudo, propostas para setores como saúde, infraestruturas, transportes, comunicação enfim, etc., nada, nem se candidatos convincentes de poderem alterar o rumo das coisas, tanto por quem governou como por aquele que agora ainda governa.

Por já lá terem estado vezes sem conta, sentem-se comprometidos em assumir posições claras e verdadeiramente dirigidas, sob pena de não estarem a errar sempre pelo mesmo.

Só reconhece boa governação aquele que verdadeiramente está ligado de alguma forma pela governação em causa, pois porque do resto todos vamos aceitando, recusando e ou questionando os atos dos outros e valorizando os nossos.

Coligados ou isolados, todos somos e seremos sempre são-tomenses, no dia após ao 7 de outubro, é bom que recordemos permanentemente disto.

Pascoal de Carvalho.

A Independência do Medo!

Julho 12, 2018

São Tomé e Príncipe, celebram hoje o 43º aniversário da sua independência. Essa data memorável é comemorada num clima de tensão socioeconômico, político, judicial, enfim, geral.

Parcialmente destruído pelo descontrolo total e sucessivo daquilo que são as suas infra instruturas deixadas pelo colonialismo e, sem competências se quer para a sua devida conservação e manutenção, eis que do belo natural se tem vindo a esbarar pela destruição já acelerada daquilo que são as vias de comunicação e deslocação e acessibilidade.

Pessoas sorridentes, alegres, acolhedoras, contrastando ou inibindo com aquilo que é de fato a verdade do espinhal do país.

Desprovidos de condições monetárias suficientes que possam garantir uma sobrevivência sustentável e harmoniosa, a população destas duas simpáticas e acolhedoras ilhas.

Que fará um acadêmico na liderança da oposição? Gorge Bom jesus, é o homem forte do MLSTP/PSD, e, é quem deverá conduzir o partido as próximas legislativas, autárquicas e regiões, marcadas para o dia 7 de Outubro próximo, tendo ele tarefas internas duríssimas a resolver, só depois avançar para a conquista do eleitorado que ainda poderá conquistar. http://www.stp-press.st/2018/07/01/mlstp-precisa-injectar-sangue-novo-regressar-ao-poder-jorge-bom-jesus-novo-lider/

Dois cidadãos são-tomenses foram detidos sob pena de estarem a preparar uma suposta subversão da ordem interna no país. Ora poderia tratar-se de uma conversa de café, bar, amigos ou coisa parecida, mas não foi. Tratou-se sim de uma gravação áudio que comprometeu tanto Gaudêncio Costa como sargento Managem. Assim mediaticamente o ministro da defesa e ordem interna, com apreensão destes dois elementos supostos subversores, foram detidos e presentes ao juiz, que os decidiu libertar embora com termo de identidade e residência. Perante tais fatos e a gravidade do mesmo, deveria antes haver uma devida investigação de top a base como da base ao top, a fim de averiguar e identificar os verdadeiros arquitetos do plano, mas, assim não foi e tudo caiu em águas de bacalhau. Haverá mesmo necessidade?  http://www.stp-press.st/2018/06/21/forcas-sao-tomenses-desmantelam-tentativa-subversao-constitucional-revela-ministro-da-defesa/  Com que intuito? http://www.stp-press.st/2018/06/24/ha-outras-pessoas-envolvidas-neste-plano-visava-unica-exclusivamente-atingir-pm-patrice-trovoada/

 

E porque não? Sabendo que a internacionalização é dos maiores pesos que a mobilidade contemporânea pode exercer no que toca a expansão e presença dum estado sobre ou a par do outro. Com isso é louvável essa iniciativa do Dr. Olinto Daio, Ministro da Educação, ciência e Cultura.  http://www.stp-press.st/2018/04/16/ministro-olinto-daio-anuncia-criacao-nova-escola-sao-tomense-libreville-gabao-2/

Mas que plano afinal? http://www.stp-press.st/2017/02/23/ministro-da-comunicacao-defende-um-plano-estrategico-para-stp-press/ Se no caso da educação o ministro Olinto Daio tem sabido elevar, inovar, estimular modificando                   e melhorando a educação são-tomense, já no que toca a comunicação e informação peça chave quanto ao espelhar do país, furos abaixo são facilmente visíveis. Urge o projeto de fusão da rádio e televisão local, com uma competência fraca e abaixo do desejável, para os tempo que correm, desde as estações locais até naquilo que passa nas atuais redes sociais.

A Nossa África.

Maio 25, 2018

O Dia da África comemora-se anualmente a 25 de maio, mas, todos os dias é dia dos africanos.Resultado de imagem para dia de africa

O dia 25 de maio é considerado o Dia de África porque foi neste dia, em 1963, que se criou a Organização de Unidade Africana (OUA), na Etiópia, com o objetivo de defender e emancipar o continente africano. Em 1972, a Organização das Nações Unidas (ONU) estabeleceu o dia 25 de maio como o Dia da África ou o Dia da Libertação da África. Em 2002 a OUA foi substituída pela União Africana mas a celebração da data manteve-se.

Visado como o continente do futuro, o dia da Industrialização de África é comemorado a 20 de novembro. A data foi instituída pela ONU em 1989 com a resolução 44/237. O seu objetivo é mobilizar a comunidade internacional para a industrialização do continente africano, um continente rico em recursos naturais, mas com constrangimentos econômicos, políticos e sociais, com a maior parte da população a trabalhar no sector agrícola. A África é o continente menos industrializado do mundo, representando somente 1% do total da produção industrial global.

O Dia Internacional da Criança Africana celebra-se a 16 de junho. Comemorado 15 dias depois do Dia Mundial da Criança, o Dia Internacional da Criança Africana chama a atenção para a realidade de milhares de crianças africanas que todos os dias são vítimas de violência, exploração e abuso.

Este dia é celebrado a 16 de junho já que foi neste dia, em 1976, que se registou o massacre do Soweto, em Joanesburgo, na África do Sul. Milhares de estudantes saíram à rua em protesto contra a fraca qualidade de ensino e contra o ensino da língua Afrikaans (usada apenas pela minoria branca do país) e não da sua língua materna. A manifestação, que se queria pacífica, acabou por ser alvo de repressão policial e por resultar em semanas de motins, com centenas de mortos, sobretudo crianças e adolescentes.

É em memória das crianças africanas mortas a 16 de junho de 1976 e em prol das crianças africanas do presente e do futuro que se instituiu em 1991 o Dia Internacional da Criança Africana. Todos os anos este dia merece a atenção da UNICEF e de outras organizações mundiais que organizam eventos variados tendo em vista a defesa dos direitos da criança em África e no mundo.

Com um desenvolvimento algo desacelerado face ao momento mundial, África ainda não encontrou pelos seus dirigentes a plataforma consensual para que de uma vez por todas seja encontrado o rumo certo e concordatário para o almejo de um futuro harmonioso e equivalente e equiparado para os seus.

Pascoal de Carvalho.

 

 

 

 

Competência, liberdade e a imprensa.

Maio 12, 2018

Resultado de imagem para liberdade imprensaTrês de Maio é universalmente assinalado o dia internacional da liberdade de imprensa. Em São Tomé e Príncipe este fato não é alheio aos interesses sociais do país, o que até então pouco se fez pela pluralidade desta.

E de todo necessário e importante saber-se que o verdadeiro sentido da liberdade de expressão e de imprensa, não quer necessariamente dizer que cada um pode dizer aquilo que quer como quer e de forma que lhe apetece, pois a liberdade e possibilidade de livre expressar requer respeito, responsabilidade, rigor imparcialidade e verdade.

Por tudo isso e não só, que para se expressar com liberdade, deve-se ter e levar em consideração os aspetos inerentes e anexos como os meios necessários que possibilitem e impulsionem essa mesma liberdade, para que estes sejam de fato profissionais e de forma profissionalizada. Temos vindo a assistir sucessivos ataques aos governos, acusando-os de praticarem atos de censura sobre o povo, entretanto sem qualquer efeito prático, já que pouco ou nada se tem feito pela pluralidade, dando-lhes condições e meios para exercerem com sabedoria isenção e profissionalismo esta profissão cuja categoria é hoje classificada de 4 º poder.

Em São Tomé e Príncipe, muito particularmente, não se pode dizer que há, tem havido ou houve censura da imprensa, pode-se porem dizer e certificar-se de que existe uma grosseira falta de investimento deste setor que deveria ser chave no que toca ao dever de informar, comunicar e também investigar para depois difundir com verdade, responsabilidade e isenção. Até a data governo nenhum se interessou em modernizar este setor, tornando-se assim alvo fácil de atingir e alcançar pela oposição e manipulável perante o executivo no poder, governo após governo, e partido após partido, nenhum deles estabeleceu metas necessárias nem criou profissionais a altura das exigências contemporâneas até a data, pese embora atualmente exista possibilidades para se poder criar uma TV privada, como também da fusão da rádio e televisão são-tomense.

Pascoal de Carvalho.

É Hora de Recomeçar?

Julho 11, 2017

STP 42 Anos IndependenteAos 42 anos de independência nacional de São Tomé e Príncipe, eis a questão, será hora de recomeçar ou não?

Ora se em 1956 o Sum Marky caracterizou as ilhas de maravilhosas de São Tomé e Príncipe de “Vale das Ilusões” dada a circunstância excessiva de exploração do solo e do povo, Patrice E. Trovoada atual primeiro-ministro são-tomense em 2012, prometeu a transformação do dessas mesmas terras situadas no golfo da guiné num novo Dubai. Porquê duas visões tão distintas?

A resposta é fácil e óbvia, uma visão é realista e circunstancial enquanto a outra é meramente política e visa a conquista do voto e do poder.

Se no tempo do escritor acima referido as ilhas de São Tomé e Príncipe eram geograficamente composta por dependências e roças com escassos nativos em que a grande parte da força laboral proviam de paragem ultramarina em virtude da recusa em trabalhar, hoje com inúmeros projetos e pseudoinvestimentos o país regista quase duas centenas de habitantes, as roças do tempo colonial sob endividadas e reduzidas a escombros, hospitais distritais arruinados e o central (Dr. Ayres de Menezes) com graves carências e deficitário funcionamento a todos os níveis.

Com um super ministério tutelado pelo Dr. Américo em que engloba a economia azul (visando os dividendos pesqueiros fruto de acordos com parceiros internacionais de suposto desenvolvimento), esqueceu-se claramente da parte verde e agrícola, que em largos períodos foi o sustento dessas ilhas.

Atrativo aos estrangeiros, apaixonante para os descentes, precisa ser cativante e certo para o investimento e sustento de todos, só assim alcançaremos o tão desejado desenvolvimento que todos almejamos.

Tal como escreveu O Miguel Torga, “recomece, sem angústia e sem dor”

O Social Média, Pascoal Carvalho.

África! Até quando afinal?

Maio 25, 2017

Happy AfricaMais um 25 de maio, mais um aniversário do dia internacional da África. Para muitos o continente irremediável adiado, para outros o continente do futuro e, para poucos do momento.

Enfim, tantos adjetivos destintos para qualificar uma eterna promessa que passa dia, dias, semana, semanas, meses e anos e nada. Até quando nobres compatriotas e, conterrâneos?

A cada barco que afunda, a cada migrante morto, a cada conflito bélico com genocídios, urge sempre o fator africano e simultaneamente a pobreza aguda a que vivem os africanos. Enfim, porque razão sofrem tanto os africanos perante o século XXI, onde patenteia  as razões humanas e humanitárias.

Culpabilizar a corrupção, a ganância, a má governação não bastam, havemos de em tempo útil dar resposta e potenciar um basta a todos esses fatores maléficos e destrutivos. Subscrevo as dignas palavras proferidas pela sua excelência sr. primeiro ministro Dr. Patrice Emery Trovoada em alusão ao dia em causa, mas, aproveito para questionar e questioná-lo, (e então, que saída temos, que é que de tangível tem sido feito como forma de alterar este momento mau de nós os africanos?)

Pascoal Carvalho,

Social Média.

Olhos vendados, também entram areia!?.

Maio 8, 2017

TropasA poucas décadas atrás, a quando da presença das Forças Armadas Para a Libertação de Angola (FAPLA) estiveram alojadas em STP, vozes urgiram em prol e contra a tal presença. Hoje, haveremos de verificar o revés dos tempos com a aprovada (pelo parlamento) vinda das tropas do Ruanda as ilhas maravilhosas.  http://www.telanon.info/politica/2017/05/07/24362/militares-ruandeses-destacados-em-sao-tome-com-polemica/

Porquê voltarmos ao tempo em que o dito era duvidoso, enquanto que o visto estava claro. A medida em que avançamos na nossa jóvem democracia, eis que focos desnecessários tendem abanarnos e adulterar os passos firmes que em prol de um cantinho melhor para todos a todos interessa.

Após a conquista da admiração internacional, eis que possíveis tiros aos próprios pés poderam estar a dar os atuais dirigentes, sabendo que, acordos bilaterais já existentes com o mundo lusófono e americano podem vir a estar em causa.

Enquanto a europa trava intensões extremistas, nós parece querermos adubalas.

https://www.noticiasaominuto.com/mundo/788451/le-pen-disse-que-macron-e-mal-educado-e-chamou-merdas-a-fillon?utm_source=notification&utm_medium=pushgeral&utm_campaign=788451&utm_source=notification&utm_medium=pushgeral&utm_campaign=788451&_p_c

Social Média,

Pascoal de Carvalho.

A Tal Liberdade, …!

Maio 4, 2017

Liberdade Imprensa

“mentes críticas, para tempos críticos” palavras do atual secretário geral da ONU. Partindo daí chegamos a estes atos falhados e dissimulados da existência de uma imprensa livre e democrática.

A grande verdade, é que quer o estado como o privado, exercem sempre pressões censoriais sobre a imprensa, que por sua vez parte ou deve partir da sua auto censura como forma de informar e difundir com isenção, imparcialidade, verdade e clareza de maneira a que esta não tenha e nem transmita inclinações lesivas a sua própria conduta deontológica.

Enquanto a imprensa não for auto financiada e sustentada, esta nunca alcançara a tão desejada liberdade. http://www.stp-press.st/aa95.htm http://www.stp-press.st/aa94.htm

04/05/2017,

Pascoal Carvalho,

Social Média.

Dia Internacional do Trabalhador!

Maio 1, 2017

DIA DO TRABALHADOR

Hoje primeiro de Maio, é o dia internacional do trabalhador, em que deveria ser de comemoração, celebração e de festas, enfim, entretanto é por fim ao cabo de contestação, reclamação angústia e dor. 

Entre o trabalhador e o empregador, o estado e a governação, há um fosso existencial que distancia como sempre, distanciou um elemento do outro. Se não há enriquecimento patronal ou empresarial sem a devida exploração do assalariado que nunca aceitando as intenções ou pretensões do empregador sente que este o usa quase que em exclusivo como degraus para o alcançar dos seus fins, daí a ausência de amizade.

Numa altura em que está na moda a linguagem do empreendedorismo, também estamos de braços dados com a crise monetária e financeira mundial que fustiga pessoas, entidades, países, nações e até mesmo ideias.

Com tanta escassez de postos de trabalho e de emprego, necessário tem sido o desbravar e descobrir novas necessidades e tendências laborais e quem nelas aposte.

Pascoal Carvalho,

Social Média.